A DORAV do PCP, eleita na IX Assembleia da Organização Regional do Partido, procedeu à eleição dos seus organismos executivos, tomou medidas para novos avanços no reforço do Partido e para a sua intervenção, em particular, no quadro da CDU, nas eleições para o Parlamento Europeu.

 1. A Direcção de Organização Regional de Aveiro do PCP (DORAV), eleita na IX Assembleia, procedeu este sábado à avaliação do processo da respectiva preparação e concretização e considerou muito positivo o trabalho realizado, na participação dos militantes, na análise da realidade, na elaboração das orientações e respostas do PCP face à gravíssima situação que se abate sobre os trabalhadores, o povo e o país, no contributo para a construção duma política e de uma alternativa patriótica e de esquerda, e nas medidas tomadas para o reforço orgânico e de intervenção do Partido, na acção de massas e no plano político, institucional e eleitoral.

 A DORAV procedeu à eleição do seu Executivo e Secretariado, integrados por treze camaradas, a quem foram atribuídas responsabilidades de coordenação e direcção nas organizações concelhias e de sector e nas diversas frentes de trabalho. A DORAV discutiu o desenvolvimento e intensificação da campanha de contacto com os membros do Partido, para a entrega de cartões e a elevação da militância, calendarizou e precisou o plano de reforço do Partido no distrito e o plano integrado de orientações e tarefas para a sua afirmação, na luta de massas, nas comemorações do quadragésimo aniversário do 25 de Abril, nas eleições para o Parlamento Europeu.

 2. A DORAV considera que os trabalhadores e o povo, o país e o distrito, vivem  uma situação muito difícil no plano económico e social. Os efeitos da longa governação da política de direita do PS, PSD e CDS, de integração capitalista europeia e de moeda única, no quadro da crise sistémica do capitalismo e da contra-ofensiva imperialista, continuam a aprofundar a destruição do tecido produtivo, a regressão social, o empobrecimento e o roubo do povo e do país, e a não serem derrotados e revertidos, ameaçam persistir em décadas de miséria e declínio nacional, em benefício exclusivo das classes dominantes e dos seus serventuários, da concentração e centralização do grande capital e das grandes potências do directório europeu e do imperialismo.

 3. No plano político e ideológico, a DORAV constata o desenvolvimento sistemático da ofensiva de mistificação e manipulação da realidade, de propaganda de um “milagre económico” que só existe nos lucros do capital monopolista, da ocultação da luta dos trabalhadores e do povo e da intervenção e propostas do PCP. Estamos perante uma operação brutal, conduzida a partir do poder económico-mediático, para a promoção dos partidos da troika, das manobras e falsas promessas do PSD/CDS, para se manterem no poder, e das declarações inconsistentes do PS, para a “mudança”, que não é mais que a alternância sem conteúdo alternativo, uma política ditada pelo Tratado Orçamental e pelo federalismo da União Europeia, de abdicação da soberania nacional, que, se fosse aplicada, manteria o país amarrado ao empobrecimento e ao desastre, de que aliás PS, PSD e CDS são os grandes responsáveis.

 4. Neste quadro, a DORAV do PCP reitera a extraordinária importância e significado das pequenas e grandes lutas de massas contra a política deste governo e das troikas, saudando nomeadamente as lutas e manifestações dos últimos dias, das populações do distrito em defesa dos serviços públicos, nomeadamente do Serviço Nacional de Saúde e dos Tribunais, dos trabalhadores, da juventude, das mulheres, dos agricultores, dos reformados. A DORAV apela à continuação da luta até à derrota desta política e deste Governo, pela convocação de eleições legislativas antecipadas e por uma alternativa patriótica e de esquerda.

 A DORAV valoriza muito o significativo conjunto de iniciativas populares e no âmbito do PCP e da CDU, comemorativas do quadragésimo aniversário do 25 de Abril, que terão lugar no distrito e apela a uma elevada participação dos comunistas para afirmar a Revolução de Abril e os seus ideais e valores no futuro de Portugal. A DORAV apela também a uma participação massiva na Manifestação do 1º de Maio em Aveiro, no caminho de lutas futuras para defender e afirmar um Portugal desenvolvido e soberano.

 5. A DORAV assinala que, no terreno autárquico, é fundamental continuar a intervir em defesa das populações e do poder local democrático, contra as restrições orçamentais e as políticas do Governo PSD/CDS e salienta a importância das eleições intercalares da freguesia da Arrifana, em 25 de Maio, marcadas num quadro em que sobretudo o PSD e o PS foram incapazes de honrar os seus compromissos e defender as populações. Estas eleições constituem assim uma oportunidade de reforçar a CDU e servir os interesses do povo daquela freguesia.

 6. A DORAV assinala que as eleições para o Parlamento Europeu, em 25 de Maio, devem ser consideradas como uma tarefa central de todo o Partido no distrito. Estas eleições têm de ser assumidas como uma grande jornada de luta para defender os trabalhadores e as populações, o povo, o distrito e o país, para interromper este rumo de desastre nacional e para abrir caminho a uma verdadeira alternativa.

 As eleições para o Parlamento Europeu são uma oportunidade maior para reforçar o PCP e a CDU. A DORAV considera que está ao alcance do PCP e dos democratas e patriotas, que connosco intervêm na CDU, dar um contributo decisivo para a eleição de mais um deputado do PCP no Parlamento Europeu, o que terá grande importância no desenvolvimento da luta, na alteração da correlação de forças no distrito e no país e nos combates futuros.

 7. A DORAV decidiu reforçar a intervenção do Partido, no plano político e nas eleições para o Parlamento Europeu e aprovou na generalidade o plano da Campanha Eleitoral. A DORAV apela a uma campanha eleitoral de massas de esclarecimento, mobilização e luta para um grande resultado eleitoral, que abra caminho a uma política e a uma alternativa patrióticas e de esquerda.

 DORAV do PCP

Aveiro, 12 de Abril de 2014