Etiquetas

, , ,

O que se passa no Iraque começa a ganhar contornos mais claros. Nos últimos dias assistiu-se a uma muito propagandeada «declaração dum Estado islâmico» que abrangeria partes do Iraque e Síria. Longe de ser recebida com as declarações em «modo guerra» das potências imperialistas, os seus órgãos de propaganda quase parecem elogiar a iniciativa. Um jornalista da BBC (30.6.14) escreveu: «o estabelecimento do califado é rico em significado religioso, cultural e histórico. Gerações de radicais sunitas sonharam com o momento em que, nas palavras do porta-voz do ISIS [Estado Islâmico do Iraque e Síria] Abu Mohammad al-Adnani, os Muçulmanos ’se libertem da poeira da humilhação e da desgraça’ e um novo califado surja do caos, confusão e desespero do moderno Médio Oriente. […] a imagem do esboroar das velhas fronteiras do tempo colonial é uma poderosa afirmação, destinada a atrair novos recrutas para esta jihad fulgurante». Ao mesmo tempo, Israel surge a promover a criação dum Estado curdo. O criminoso primeiro-ministro Netanyahu diz que «devemos apoiar a aspiração curda à independência» e que os curdos são «uma nação de combatentes que provaram o seu comprometimento político e merecem a independência» (Guardian, 29.6.14). Fossem estas palavras sinceras, e há muito que o martirizado povo Palestino teria o Estado a que tem direito. Mas a intenção de Netanyahu é outra: «Israel terá de manter uma presença militar em toda a Margem Ocidental durante o futuro previsível». O que importa é criar «uma aliança mais vasta com forças moderadas na região», incluindo a Jordânia e os curdos. Tudo isto bem lubrificado, claro: segundo a Reuters (30.6.14), «os primeiros carregamentos de petróleo curdo foram comprados na semana passada por Israel», à revelia do Estado iraquiano, país onde esse petróleo foi extraído. A fazer fé no Financial Times (27.6.14), mesmo a Turquia estaria «pronta a aceitar um Estado curdo, numa viragem histórica». Cita o dirigente da maior petrolífera turca a dizer que «está sob intensa pressão, quer de Ancara, quer do [Curdistão Iraquiano] para comprar petróleo curdo, mas não o pode fazer sem pôr em perigo as compras que faz a Bagdade». A recente ocupação curda de Kirkuk põe o oleoduto Kirkuk-Ceyhan fora do alcance do governo iraquiano.

O «caos do Médio Oriente» não é obra do acaso. Tem pais, padrinhos e promotores activos. E olhando para o mapa que o coronel norte-americano Peters publicou há oito anos na revista das Forças Armadas dos EUA (Armed Forces Journal, Junho 2006) parece que o “novo Médio Oriente” tem guião. O Iraque está a ser desmembrado. Convém não esquecer que os curdos habitam noutros dois países (Síria e Irão) que estão na lista dos alvos dos EUA**. Não é o direito dos curdos à auto-determinação que faz mover o imperialismo. A balcanização é uma velha técnica de dominação imperial. A fragmentação do Médio Oriente visa todos os estados que, nas últimas décadas, foram barreira à dominação das grandes potências imperialistas e de Israel. E abre caminho para o Irão.

A utilização de misteriosos bandos de mercenários criminosos é uma velha arma do arsenal do imperialismo. Eloquente, o trabalhista Robin Cook, ex-ministro dos Negócios Estrangeiros inglês (que se demitiu de ministro para os assuntos parlamentares em protesto contra a invasão do Iraque) escreveu em 2005 (Guardian, 8.07.05): «Al-Qaida, que literalmente significa ‘a base de dados’, foi na sua origem o ficheiro de computador com milhares de mudjahedines que foram recrutados e treinados com o auxílio da CIA para derrotar os russos [no Afeganistão]». Menos de um mês depois de escrever estas palavras, Cook morreu. Ao que parece, de enfarte. Mas a jihad imperialista continua.

*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº 2118, 3.07.2014

** A análise deste artigo centra-se fundamentalmente nestes três países e compreende-se assim que apenas seja feita menção às comunidades curdas que neles existem. Mas não deve deixar-se sem menção que na Arménia vivem alguns milhares de curdos e que a esmagadora maioria dos curdos vive na Turquia, país que pelos vistos defende o seu direito à autodeterminação se estiverem no Iraque, mas que os reprime e lhes recusa esse direito se estiverem na Turquia. (Nota de odiario.info)

Advertisements