Etiquetas

, ,

Senhora Presidente,
Senhoras e senhores Deputados,
Senhoras e senhores membros do Governo,

A conclusão óbvia que resulta deste debate é a confirmação de que este Orçamento do Estado para 2015 não pode resolver os problemas do País porque não é essa a intenção do Governo PSD/CDS nem o objectivo da política de direita.

Aumentar a dívida, renovar cortes e congelamentos de salários e pensões que deviam estar a ser pagos integralmente, agravar a injustiça fiscal sobre quem trabalha e reduzir impostos às grandes empresas, destruir serviços públicos, ou entregar empresas públicas a grandes interesses económicos pode traduzir a natureza da política de direita mas não dá aos portugueses e ao País esperança e confiança no futuro.

Discutimos o Orçamento num momento em que os funcionários públicos olham para o seu recibo de vencimento e encontram os cortes salariais impostos pelo PS no PEC de 2011, agora pela mão de Passos Coelho e Paulo Portas.
O facto de o Governo PSD/CDS ter recuperado em 2014 os cortes salariais do PEC de 2011 tem a virtude de revelar com cristalina clareza o aspecto central do que hoje aqui debatemos.

O que estamos hoje a discutir não é apenas o Orçamento do Estado para o ano de 2015, estamos a discutir um projeto político que tem na política de direita antecedentes velhos e intenções de se perpetuar.

Um projecto político que atravessa décadas de governos que criaram os embriões de monstros como o BPN, o BES, o Grupo Espírito Santo e outros que hoje consomem os salários, as pensões e os direitos fundamentais dos trabalhadores para satisfazer a sua insaciável gula pelo lucro ou em nome dos prejuízos que deixam para que outros os paguem.

Um projecto político que afundou o País no endividamento e na dependência em nome dos interesses do grande capital da integração europeia e dos seus espartilhos económicos, financeiros e monetários, como o Euro, cujas consequências são hoje dramaticamente sentidas nas vidas dos povos a quem os governos apresentam a fatura mas a quem recusam a possibilidade de decidir por um destino diferente.

Um projecto político que pôs Portugal de joelhos perante especuladores estrangeiros e o capital transnacional, constituído em troica, dando ordens em alemão diligentemente traduzidas pelo presidente da Comissão Europeia exigindo que durante décadas o povo português entregue a riqueza que cria com o seu trabalho para pagar uma dívida que não contraiu, não autorizou que fosse contraída e que não pára de aumentar.

Um projecto político que encontrou na revolução de Abril uma derrota com a qual não se quis conformar, que vê na democracia um espartilho e na Constituição um obstáculo às suas ambições e que, à custa da degradação e mutilação do regime democrático, tem procurado conquistar terreno e poder perdidos.

Este é um projeto político que tem nos protagonistas governamentais de hoje meros actores que amanhã serão descartados da mesma forma que os de ontem foram quando deixaram de servir os propósitos para que foram investidos em ministros ou secretários de Estado.

É nessa rotatividade da alternância sem alternativa que a política de direita tem gerado as ilusões com que alimenta o descontentamento popular e é dela que certamente procurará uma vez mais lançar mão aquando da consumação da derrota do Governo que hoje aqui se nos apresenta.

Senhora Presidente,
Senhoras e senhores Deputados,
Senhoras e senhores membros do Governo,

Apesar de recuperados em 2014 os cortes salariais do PEC de 2011, nestes quase quatro anos o tempo não parou e a governação de Passos Coelho e Paulo Portas não foi apenas um pesadelo do qual pudéssemos acordar, incólumes a toda a pobreza, miséria e desespero criados pela mão do Governo, do PSD e do CDS.

Nem tampouco essa realidade dramática foi a realidade vivida por todos os portugueses.

Como repetidamente afirmaram Deputados e governantes de PSD e CDS, não é possível dar tudo a todos. E confirmaram-no na sua ação.
Para entregarem em quatro anos 31 mil milhões de euros em juros aos especuladores e 12 mil milhões de “apoios” à banca, aumentaram a dívida em mais 51 mil milhões de euros, cortaram salários, pensões e prestações sociais.

Para favorecerem os negócios privados da saúde e da educação cortaram mais de 2 mil milhões de euros à escola pública e mil e oitocentos milhões à saúde.

Como não podem dar tudo a todos, para repetirem em 2015 a redução de impostos aos grupos económicos e à banca no IRC – que iniciaram o ano passado com o apoio do PS –, aumentam a injustiça fiscal sobre os trabalhadores com um aumento generalizado de impostos indiretos por via da falsamente designada fiscalidade verde, que acresce aos 11 mil milhões de euros de aumento acumulado em IRS por referência a 2012.

Para reduzirem os salários despediram mais de 72 mil funcionários públicos, empurraram e mantiveram no desemprego mais de um milhão e quatrocentos mil trabalhadores, cortaram subsídios e prestações sociais e obrigaram desempregados e estagiários a trabalhar por um “prato de lentilhas”.

Asseguraram os lucros dos grupos económicos mas para isso impuseram o trabalho não pago com o aumento dos horários de trabalho, o corte no pagamento do trabalho suplementar ou a eliminação de feriados.

Alargaram as áreas de negócio de vários grupos económicos nacionais e estrangeiros mas para isso prejudicaram o Estado e o País com as privatizações e concessões de empresas públicas e a entrega de património público.

Para atingirem a marca dos 10 mil milionários geraram 2 milhões e seiscentos mil pobres.
De tudo isto resulta a dramática realidade que milhões portugueses vivem todos os dias no seu País e que forçou mais de 300 mil a emigrar.

Perante esta realidade, governantes e Deputados de PSD e CDS afirmam o seu orgulho com os resultados alcançados. Mas depois fogem para as previsões do futuro porque por essas não podem para já ser responsabilizados.

Desprezando as dificuldades dos portugueses, repetem a ladainha com que se arrastaram no poder e a que agora, em fim de mandato, tentam dar mais volume e mais aplausos.

O Governo que aqui se nos apresenta é um Governo derrotado pela sua própria política, um Governo sem legitimidade política, social nem eleitoral.

Um Governo que há muito devia ter sido demitido, não à peça mas em bloco, muito antes de ter criado o caos na Justiça ou na Educação.

Um Governo que há muito devia ter sido demitido pela política que executa, por violar a Constituição, por desrespeitar os portugueses e os compromissos eleitorais que com eles assumiu e não por uma questão técnica de preparação do Orçamento do Estado.

Um Governo que, em nome da estabilidade política, foi mantido em funções pelo Presidente da República que até hoje não encontrou nenhum factor de instabilidade no facto deste Governo PSD/CDS ter apresentado doze propostas doze de orçamentos do Estado ou rectificativos em menos de quatro anos de mandato.

Senhora Presidente,
Senhoras e senhores Deputados,
Senhoras e senhores membros do Governo,

O debate do Orçamento do Estado fica marcado por um elemento que, pela sua gravidade, não pode deixar de ser registado. Este Governo tem ocultado das contas públicas milhares de milhões de euros em benefícios fiscais concedidos a grandes empresas, que não inscreve na Conta Geral do Estado e pelos quais se recusa a responder. Apesar de confrontada várias vezes pelo PCP, de ter sido alvo de uma auditoria pelo Tribunal de Contas que confirmou as nossas denúncias, de obrigada pelo Tribunal de Contas a clarificar a situação, a Ministra das Finanças remete-se a um absoluto silêncio sobre a matéria. Exigimos saber o que esconde esse silêncio sobre as negociatas de milhares de milhões que o Governo continua a fazer às escondidas dos portugueses, à margem das contas públicas e à revelia das leis da República.

Mas o que marca decisivamente este debate é uma afirmação do Primeiro-Ministro na sua intervenção inicial quando disse, e cito, “Em 2015 faremos o que temos vindo a fazer desde 2011”.

Atreveu-se até a dizer mais sobre a devolução integral dos salários em 2016 a que foi obrigado pelo Tribunal Constitucional, e cito novamente: “Se for Primeiro-Ministro serei congruente com aquilo que defendi – reposição à razão de 20% ao ano – e portanto irei propor que em 2016 haja uma nova reversão de 20% dos salários para os portugueses”. Ou seja, o que o Primeiro-Ministro anuncia é que, por sua vontade, haverá novos cortes nos salários entre 2016 e 2018.

Quem reveja as imagens desse momento há-de encontrar no Vice Primeiro-Ministro Paulo Portas a expressão facial que Garcia Marquez negou à personagem Santiago Nasar perante a morte anunciada na primeira linha da sua Crónica e que certamente o irrevogável Ministro aqui vislumbrou politicamente a pensar na data das próximas eleições.

Mas que não haja ilusões. Aqueles que têm acumulado fortuna à custa da crise de quem trabalha não vão querer abrir mão do que amassaram e se não for com este Governo hão-de querer encontrar outro que sirva os seus interesses.

Os especuladores hão-de querer um Governo que rejeite a renegociação da dívida e pague todos os juros até ao último cêntimo.

Os banqueiros hão-de querer um Governo que não conteste as orientações da UE que obriga os povos a pagar os prejuízos dos bancos.

Os grupos económicos hão-de querer um Governo que lhes garanta mais exploração dos trabalhadores, novas reduções da taxa do IRC ou lhes permita que deixem de pagar impostos em Portugal para continuarem a não os pagar num qualquer paraíso fiscal para onde transfiram as suas sedes.

A tudo isto é preciso que se oponha a força do povo, de todos os democratas e patriotas, para que Portugal tenha futuro.

Aqueles que, com o seu trabalho, criam a riqueza deste País terão de encontrar as formas e as forças para impedir que tal aconteça e para inverter o rumo de afundamento a que nos querem condenar.

Senhora Presidente,
Senhoras e senhores Deputados,
Senhoras e senhores membros do Governo,

Não se iludam porque a roda da História não pára e os portugueses hão-de construir a política patriótica e de esquerda que se impõe para a solução dos problemas nacionais.

Os salários que os senhores hoje confiscam hão-de ser recuperados, as pensões que hoje cortam hão-de ser repostas, o apoio à maternidade e às crianças, o abono de família hão-se ser restabelecidos e ampliados, o desemprego e a doença hão-de voltar a ser circunstâncias enfrentadas com dignidade e com a solidariedade colectiva de um sistema da segurança social que reponha as prestações e os apoios sociais que os senhores hoje negam.

As empresas públicas que hoje os senhores entregam aos interesses dos quais continuam a ser meros serventuários hão-de amanhã voltar às mãos de um Estado que esteja nas mãos do povo e ao serviço do povo.

Os micro, pequenos e médios empresários, os pequenos e médios agricultores vitimas da voragem do grande capital, hão-de ter o apoio e estímulo à sua atividade.

É a luta do povo por essa política alternativa que o PCP propõe que há-de derrotar este Orçamento, este Governo, a política de direita e abrir caminho a um futuro de progresso, desenvolvimento e justiça social.

Disse,

 

 

Intervenção de João Oliveira a 31 de outubro

Anúncios