Reagindo à decisão da Comissão Europeia de sancionar Portugal, João Oliveira afirmou que “esta decisão revela com grande clareza a contradição entre as decisões e posições entre a UE, e os trabalhadores e o povo português. É uma decisão inaceitável, ilegítima atentatória da soberania e dos interesses nacionais.”