Etiquetas

,

Na véspera do 25 de Abril, a CDU- Coligação Democrática Unitária / Arouca promoveu a realização do habitual Jantar Comemorativo da Revolução de Abril, sendo de realçar que se tratou da única iniciativa política comemorativa da Revolução de Abril realizada no concelho, situação pouco compreensível, pelas mudanças para melhor que Arouca teve com o 25 de Abril, mais  ainda em ano de eleições autárquicas, ou não fosse o poder local democrático  uma das suas conquistas.

Na referida iniciativa  a intervenção política esteve a cargo de Joaquim Almeida, membro da DORAV e anterior Coordenador da União dos Sindicatos de Aveiro, que começou precisamente por dar um conjunto de exemplos antagónicos do antes e do depois do 25 de Abril, no que à liberdade e aos direitos laborais diz respeito.

Referiu, também, que uma das maiores marcas do 25 de Abril foi  o povo ter saído à rua, dando força ao levantamento militar, e  com a sua participação e luta ter concretizado um processo de afirmação de liberdade, de emancipação social e de independência nacional que realizou profundas transformações políticas, económicas, sociais e culturais com consequências práticas na vida das pessoas.

É esta perspectiva do 25 de Abril enquanto  processo, e não a sua redução à data e ao levantamento militar, que importa valorizar, referiu Joaquim Almeida, destacando o papel dos  que  desde 1926 lutaram, primeiro para que o fascismo não fosse instituído e, depois de instituído,  para que fosse derrubado e substituído por um regime democrático.

Antes de concluir a intervenção com os apelos às lutas que se avizinham, Joaquim Almeida lembrou ainda estarmos no ano em que se comemora o centenário da Revolução de Outubro, merecendo  a mesma  ser tratada não com  caricaturas e grosseiras falsificações,  mas pelo alcance que teve, nos direitos que possibilitou aos trabalhadores e povos da União Soviética, bem como  a milhares de milhões de seres humanos em todo o planeta, países capitalistas incluídos.

Comemorar  Abril é agora comemorar o 1º de Maio – Dia Internacional do Trabalhador- que em Portugal, só a partir de 1974 pôde voltar a ser comemorado livremente e afirmar os valores de Abril nas eleições autárquicas de 1 de Outubro.

Francisco Gonçalves, em nome da Coordenação   Concelhia da CDU, concluiu  apelando à participação  no projecto autárquico da Coligação Democrática Unitária, porque este é um espaço aberto a todos os democratas empenhados no desenvolvimento local e na melhoria  das condições de vida das populações. 

 

Arouca, 28 de Abril de 2017

A CDU-Coligação Democrática Unitária / Arouca

.

.

 

Advertisements